Coordenações Estaduais

ÁREA DE ASSISTÊNCIA E PROMOÇÃO SOCIAL

Missão: Despertar na mente dos trabalhadores da área a importância da assistência e promoção social, no sentido da verdadeira caridade, como entendia Jesus e explicitada na questão 886 de “O Livro dos Espíritos”.


Visão:
Trabalhar a importância da implantação nas casas espíritas dos espaços de convivência, pois, só através da convivência harmônica de uns para com os outros aprenderemos a respeitar o semelhante e começaremos a dar a nossa efetiva contribuição para um mundo melhor. Mundo melhor será aquele em que uns se preocupam e ajudam ao outro. Foi exatamente o que fez o Bom Samaritano. Ajudou, pela alegria de ajudar.

Valores:
O homem, como ser integral, sem distinção de assistente e assistido. Lembrando que Jesus, quando nos ensinou a oração do Pai Nosso, já nos dizia que todos somos filhos de Deus, portanto, com as mesmas oportunidades, daí a inconveniência do termo “assistido”. O objetivo do trabalho das Comissões Regionais é aferir e trocar experiências de como está sendo realizado nas casas espíritas o trabalho da assistência e promoção social espirita.


ÁREA DO ATENDIMENTO ESPIRITUAL

Conceito: É o conjunto de atividades que visa a atender, adequadamente, as pessoas que buscam e frequentam o Centro Espírita visando a obter esclarecimento, orientação, ajuda e assistência espiritual e moral.

Abrange as seguintes atividades:
Recepção
Atendimento fraterno pelo diálogo
Explanação do Evangelho à luz da Doutrina Espírita
Atendimento pelo Passe
Irradiação
Evangelho no lar
Implantação do Evangelho no lar

Finalidade: Acolher as pessoas, por meio de ações fraternas e continuadas, de conformidade com os princípios do Evangelho à luz da Doutrina Espírita, oferecendo aos que frequentam o Centro Espírita – em especial aos que o procuram pela primeira vez – o apoio, o esclarecimento, a consolação e o amparo de que necessitam para vencer as suas dificuldades.

O Atendimento Fraterno é uma relação que deve estar presente em todas as atividades da vida humana, nas relações interpessoais, em especial na Casa Espírita.

⦁    Participantes:
Atendentes:
Trabalhadores do Centro Espírita, devidamente capacitados para a tarefa.
Atendidos: Os que buscam o Atendimento Fraterno pela primeira vez; o frequentador habitual; o trabalhador do próprio núcleo, em estado de necessidade.


ÁREA DA COMUNICAÇÃO SOCIAL ESPÍRITA

Missão: Apoiar as Casas Espíritas na divulgação e difusão da Doutrina Espírita.

Visão: Ser referência para todas as Casas Espíritas do Estado de Goiás como área que contribui com a realização de atividades voltadas para a divulgação da Doutrina Espírita.

⦁    Valores:
Alegria;
Amorosidade;
Comprometimento;
Conhecimento Doutrinário;
Dinamismo;
Empatia;
Flexibilidade;
Organização;
Responsabilidade.

⦁    Objetivos:
Contribuir com a formação e qualificação de trabalhadores para a área;
Incentivar a criação e a unificação dos Departamentos de Comunicação nas Casas Espíritas.


ÁREA DO ESTUDO DO ESPIRITISMO

A Área de Estudo busca conhecer o Espiritismo para melhor compreender a si mesmo, ao outro, ao mundo que o cerca e aplicar esse conhecimento na vivência diária e no contato com o mundo espiritual. O Estudo do Espiritismo visa esclarecer, consolar e orientar por meio da promoção da formação do Homem de Bem.

⦁    Valores:
Difusão da Doutrina Espírita;
Preservação da unidade de princípios da Doutrina Espírita;
Comunicação Social Espírita;
Adequação dos Centros Espíritas para atendimento de suas finalidades;
União dos Espíritas e Unificação do Movimento;
Capacitação do trabalhador espírita;
Participação na Sociedade;


ÁREA DA FAMÍLIA

A Federação Espírita do Estado de Goiás, através do CFE, propõe às Casas Espíritas que façamos um trabalho que vá além de uma campanha geral de fortalecimento dos laços de família. A proposta é que criemos em cada CER  e Casa Espírita uma Coordenação de Assuntos da Família, de modo a estar permanentemente implementando ações, que visem fortalecer a família, principalmente a do trabalhador da Casa Espírita.

O movimento espírita tem muito a oferecer para auxiliar os benfeitores da humanidade a socorrer a família, especialmente as dos próprios trabalhadores das Casas Espíritas, cujas famílias passam pelos mesmos problemas das demais, acrescidas do assédio da espiritualidade menos feliz, que deseja desarticular os trabalhadores do bem em todos as áreas, para que o caos se faça presente na humanidade terrestre.

Justificativa: “Todas as disciplinas referentes ao aprimoramento do cérebro são facilmente encontradas nas universidades da Terra, mas a família é a escola do coração, erguendo seres amados à condição de professores do Espírito”. Emmanuel no Livro Seara dos Médiuns.

Missão: Como escola do coração, a família é núcleo especializado para a formação do Espírito Imortal: construindo laços e aparando arestas no refazimento do destino.

Visão: O Instituto da Família é o responsável pela construção e reconstrução do Ser através de variados estágios no plano evolutivo.

⦁    Valores:
Acolhimento;
Consolo;
Orientação;
Esclarecimento;
Convivência;
Crescimento.

⦁    Diretrizes:
Diretriz 1:
Implantação e estruturação da área da família nos Conselhos Federativos Estaduais e Centros Espíritas.
Diretriz 2:
Formação dos trabalhadores para a Área da família.
Diretriz 3:
Divulgação e implantação de temas relacionadas à família, na grade de planejamento e programação da CE
Diretriz 4:
Integração da Área da Família com as demais Áreas das  Conselhos Federativos Estaduais e dos Centros Espíritas.

⦁    Ações:
Implantação, apoio e organização a área da família juntos aos CERs   e Centros Espíritas através da sensibilização dos dirigentes e  trabalhadores dos  Centros Espíritas sobre a importância da AFA (Área da Família);
Formação de trabalhadores para atuar na área da família nos CERs  e  centros espíritas  através do desenvolvimento de programas  para  a Formação de lideranças  para atuarem na AFA;
Implantação de Campanhas Estaduais e Regionais sobre a temática Composição de caravanas para a Implantação do Evangelho no Lar, ou equipes de visitas devidamente preparadas;
Adesão ao Dia ou Mês da Família no Centro Espírita (atividade específica de valorização e fortalecimento dos laços familiares, envolvendo crianças, jovens, adultos, idosos).


ÁREA DA INFÂNCIA

Objetivos: A Área Estadual de Infância e Juventude, por meio de sua Coordenação Estadual de Infância e suas assessorias, atuarão junto aos Centros Espíritas com os seguintes objetivos:
Auxiliar na estruturação da Área Regional de Infância e de Juventude, visando à criação da Coordenação Regional da Infância junto ao CFE/ FEEGO.
Promover trocas de experiências e debates, e ainda cursos de formação, quando necessário e de acordo com a realidade, voltadas ao aprimoramento dos evangelizadores, em âmbito estadual e regional, visando colaborar com a qualidade da Evangelização Espírita da Infância.
Incentivar a articulação e a integração entre Infância, Juventude e Família, bem como entre as demais áreas de atividades nas instituições espíritas.
Apoiar e estimular a implantação e implementação de atividades voltadas à família, visando a integração e o fortalecimento desta parceria fundamental na evangelização da criança.
Favorecer a criação e a disponibilização de materiais pedagógico-doutrinários, estudos e pesquisas relacionadas à tarefa com a infância.

⦁    Diretrizes:
Diretriz 1:
Concepção de Criança na Ação Evangelizadora
Objetivo:
Possibilitar que a criança seja compreendida como ser espiritual em evolução, detentora de uma bagagem espiritual, que tem suas formas próprias de ser, expressar, conhecer e se comunicar, devendo ser, portanto, parceira ativa na ação educativa.

Diretriz 2:
Estruturação das Atividades da Evangelização da Infância a Partir dos Interesses e Necessidades das Crianças
Objetivo:
Possibilitar que as atividades de evangelização, com base na compreensão espiritual da criança e de sua infância, sejam pensadas a partir de suas especificidades e singularidades, e tenham como ponto de partida seus interesses e necessidades, considerando, sobretudo, os aspectos morais, intelectuais, sociais, emocionais e espirituais.

Diretriz 3:
Organização de Atividade Junto a Família
Objetivo:
Garantir o desenvolvimento de ações que visem o comprometimento da família com a educação espiritual da criança, bem como sua integração no Centro Espírita, fortalecendo a parceria fundamental da família com a evangelização da criança.

Diretriz 4:
Desenvolvimento de Evangelizadores da Infância
Objetivo: 
Promover cursos de desenvolvimento de evangelizadores de infância, que contemplem o aprimoramento humano integral e didático-pedagógico, sedimentando o comprometimento espiritual do evangelizador com a tarefa de evangelizar

⦁    Perfil do Coordenador da Infância no Centro Espírita:
Disposição para o trabalho.
Conhecimento sobre as especificidades do trabalho de Evangelização da Infância – a criança, a família e o evangelizador.
Habilidade de liderança e coordenação de atividades.
Disponibilidade para participar de reuniões de diretoria.
Participação em grupo de estudo doutrinário.
Conhecimento básico sobre o Movimento Espírita.
Flexibilidade para a integração das atividades da infância com as demais áreas do Centro Espírita.

⦁    Ações Prioritárias para Implantação da Coordenação da Infância:
Estruturação da Coordenação de Infância em âmbito regional.
Apoio e acompanhamento das ações da região voltadas à Infância e ao desenvolvimento da tarefa Evangelização nos Centros Espíritas, por meio de comunicação periódica, de reuniões nas Comissões Regionais e de outras que se fizerem necessárias.
Fortalecimento e apoio na implantação e implementação dos Planos de Trabalho Regionais na Área de Infância e Juventude, em especial nas ações e diretrizes voltadas à criança e à família.
Realização de encontros em âmbitos estadual e regional, para formação de evangelizadores da infância.
Produção e divulgação de materiais didático-pedagógicos que enriqueçam a ação evangelizadora da Infância.
Articulação e integração das ações direcionadas à Infância, à Juventude e à Família, e destas às demais áreas, atividades e setores da instituição espírita, por meio de projetos, atividades, produções e encontros formativos.

ÁREA DA JUVENTUDE

(Princípios e Diretrizes da Coordenação Estadual de Juventude)

A Coordenação Estadual de Juventude da Área Estadual de Infância e Juventude atuará, por meio de suas assessorias estaduais e coordenações regionais, junto aos Centros Espíritas com os seguintes objetivos:
Auxiliar na estruturação do Departamento de Infância e de Juventude nos Centros Espíritas, visando a criação, continuidade e fortalecimento das Juventudes/Mocidades Espíritas;
Sensibilizar dirigentes, trabalhadores e a própria juventude quanto à necessidade de se intensificar a implantação e a implementação de Juventude/Mocidades Espíritas nos Centros Espíritas, garantindo aos jovens espaços de efetiva participação em atividades de estudo, convívio, confraternização e integração;
Fortalecer a ação jovem por meio do “protagonismo juvenil” e de sua integração nas atividades do Centro Espírita e do Movimento Espírita;
Integrar e apoiar as Mocidades Espíritas do Estado de Goiás oferecendo suporte para o desenvolvimento de suas atividades doutrinárias, assistenciais e artísticas, divulgando, assim, o espiritismo;
Promover cursos de formação inicial e continuada para jovens e trabalhadores do Centro Espírita com vistas às ações a serem desenvolvidas na Juventude/Mocidade Espírita, bem como reaalizar encontros visando troca de experiências e aprimoramento pedagógico-doutrinário;
Organizar confraternizações e encontros locais, regionais e estaduais, visando ao fortalecimento das Juventudes/Mocidades Espíritas, por meio de espaços de convivência e confraternização, pautados no estudo do Espiritismo e vivência do Evangelho de Jesus;
Favorecer a criação dos espaços de ação jovem: de estudo, confraternização, vivência e ação social, comunicação social, integração no Centro e no Movimento Espírita, e convivência familiar;
Produzir e disponibilizar material específico contemplando subsídios para a estruturação, funcionamento e dinamização das Juventudes/Mocidades Espíritas.

⦁    Diretrizes:
Diretriz 1: Ação do Jovem Espírita;
Diretriz 2:
Formação dos Trabalhadores da Juventude/Mocidade Espírita;
Diretriz 3:
Organização e Funcionamento da Juventude/Mocidade;
Diretriz 4:
Dinamização das Ações Federativas com Atuação dos Jovens, Evangelizadores /Coordenadores, Dirigentes e Família.

⦁    Cursos de Formação e Desenvolvimento de Coordenadores de Mocidade:
O Desafio Mocizade é um game que tem o objetivo de despertar as lideranças da juventude espírita para a necessidade do trabalho integrado à casa espírita. O Desafio Mocizade é baseado no Desafio Sebrae, jogo onde cada equipe cria e administra uma empresa, definindo estratégias e ações de acordo com a simulação de mercado feita pela equipe do Sebrae.


⦁    Encontros Regionais da Juventude Espírita (ERJEs):
Os Encontros Regionais da Juventude Espírita são eventos espíritas destinados a jovens a partir de 12 anos e que proporciona aos seus participantes a troca de experiências, estudo da Doutrina Espírita e trabalho no campo do bem. Este evento ocorre geralmente nos fins de semana e é realizado anualmente em todas as regiões do estado de Goiás. Os ERJEs oportunizam às mocidades que o “apadrinham”, uma chuva de luz e bênçãos incentivando os trabalhadores das mocidades espíritas em suas tarefas, a implantação de várias atividades assistenciais, doutrinárias e artísticas nas mocidades.


⦁    Estudo de Orientação à Ação Evangelizadora Espírita da Juventude (Subsídios e Diretrizes):
O estudo desse documento tem o objetivo de capacitar os Trabalhadores e Assessores do Mocizade, para que os mesmos possam se apropriar do documento e da mesma forma difundi-lo pelo Estado.
Os estudos serão realizados para duas turmas, uma ás segundas-feiras e a outra ás quartas-feiras, na FEEGO iniciando 19:30 e encerrando ás 21:30, o horário poderá ser reavaliado de acordo com as aulas e andamento do curso.


ÁREA DA MEDIUNIDADE

Objetivo: A Área da Mediunidade do Conselho Federativo Estadual da FEEGO é composta por uma coordenação estadual e seus assessores, juntamente com os coordenadores regionais da área de cada comissão regional. Tem como objetivo estimular e orientar a organização das atividades mediúnicas nas diversas casas espíritas, bem como a realização de estudo continuado da mediunidade por meio de cursos regulares, tais como: “O Livro dos Médiuns”, dos livros “Mediunidade: Estudo e Prática – MEP” da FEB, volumes 1 e 2, e outros de interesse do médium espírita.


⦁    Finalidades:

Desenvolver a faculdade mediúnica de forma saudável e segura, em perfeita harmonia com os princípios da Doutrina Espirita e do Evangelho de Jesus.

Manter o intercâmbio mediúnico com Espíritos desencarnados, auxiliando os que necessitam de amparo e de assistência espiritual, assim como refletir a respeito das orientações e esclarecimentos transmitidos pelos benfeitores da Vida Maior.

Cooperar com os Benfeitores espirituais no trabalho de fortalecimento do Centro Espirita e na assistência espiritual aos seus trabalhadores.

Incentivar e orientar a implantação das atividades na área da Mediunidade nas Instituições Espíritas do estado.

Promover, de forma sistemática e continuada, atividades que visem orientar e apoiar as Casas Espíritas em seus trabalhos na área da Mediunidade;

Organizar, estruturar e coordenar as diversas atividades do Campo Experimental na área da mediunidade na FEEGO, com base na Codificação da Doutrina Espírita;

Promover a União dos Espíritas e Unificação do Movimento Espírita na área da Mediunidade;

Representar o estado de Goiás junto ao Movimento Espírita Nacional na área da Mediunidade e participar efetivamente do esforço de Unificação do Movimento Espírita no Brasil.


⦁    Projetos:

Realizar anualmente um encontro estadual da área da Mediunidade com Dirigentes, Dialogadores e Médiuns, para trabalhar as dificuldades da Área da Mediunidade;

Incentivar o estudo da mediunidade implantando o “Mediunidade: Estudo e Prática – MEP”, promovendo sua aula inaugural e preparando facilitadores capazes de aplicar sua metodologia;

Incentivar a fraternidade nas reuniões mediúnicas, considerando os todos componentes da reunião, encarnados e desencarnados;

Realizar trabalhos conjuntos com as demais áreas da Casa Espírita, visando a integração necessária;

O que é Mediunidade:

É a faculdade que permite ao homem, servir de intermediário entre o mundo físico e o mundo espiritual.

É inerente a uma disposição orgânica, de que qualquer homem pode ser dotado, como a de ver, de ouvir, de falar.

É conferida sem distinção, a fim de que os Espíritos possam trazer a luz a todas as camadas da sociedade, ao pobre como ao rico; aos retos, para os fortificar no bem, aos viciosos para os corrigir. (O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo XXIV, item 12)

É coisa santa, que deve ser praticada santamente, religiosamente… (O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo XXVI, item 10).


⦁    Quem são os Médiuns:

São os intérpretes dos Espíritos; suprem, nestes últimos, a falta de órgãos materiais pelos quais transmitam suas instruções. (O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo XIX, item 10).

Toda pessoa que sente, em um grau qualquer, a influência dos Espíritos, é por isso mesmo médium (O Livro dos Médiuns, item 159).

Educar-se incessantemente é dever a que o médium deve comprometer-se intimamente, a fim de não estacionar e, aprimorando-se, lograr as relevantes finalidades que a Doutrina Espírita propõe para a mediunidade com Jesus. (Joanna de Ângelis – No Limiar do Infinito).